Olhando pro cartão e e pensando em empréstimo.

Dívida de cartão de crédito: entenda o que é e como fugir desse problema!

Entrou em uma dívida de cartão de crédito e não sabe o que fazer? Essa é uma situação muito comum e pode causar uma enorme sensação de desespero. Por isso, saiba, desde já, que tem solução.

No entanto, a melhor decisão para quitar uma dívida de cartão de crédito vai depender do quadro em que você se encontra. Ou seja, não existe uma regra que vale para todas as pessoas.

A boa notícia é que estamos aqui para ajudar você a se ver livre desse tipo de problema. Acompanhe o post e saiba como lidar com as dívidas na fatura do cartão e quitar todas as contas!

Qual é o cenário de dívidas de cartão de crédito no Brasil?

Diversos fatores contribuem para o endividamento dos brasileiros, até mesmo com o uso dos melhores cartões de crédito disponíveis atualmente (e suas taxas mais em conta). Afinal, é interessante ressaltar que estamos passando por um contexto de crise econômica, que afeta diretamente a qualidade de vida da população.

Com a inflação em alta, salário-mínimo com poucos ajustes nos últimos anos e, ainda, um grande número de desempregados no Brasil, as dívidas no cartão de crédito se tornam mais frequentes.

O número de brasileiros inadimplentes ultrapassa a faixa de 60 milhões, e esse é um dos frutos desse contexto de instabilidade econômica no país. Além disso, vale destacar que boa parte dessas dívidas foram feitas para pagar os custos das necessidades básicas.

Como funcionam as dívidas no cartão de crédito?

Na falta de opção, muitas pessoas precisam recorrer ao cartão de crédito para garantir as compras. Acontece que o acúmulo de dívidas feitas nessa forma de pagamento pode complicar as finanças pessoais.

Já percebeu como é muito mais fácil fazer uma despesa, principalmente de alto valor, com o cartão de crédito? Isso acontece porque não sentimos nosso dinheiro indo embora com tanta facilidade ao usar esse tipo de pagamento.

Esse é um dos fatores que levam uma pessoa a realizar mais compras com o crédito. Sem contar que a possibilidade de pagar o valor apenas na próxima fatura atrapalha um pouco o planejamento, caso o indivíduo não tenha uma boa organização financeira.

E, assim, surgem as dívidas no cartão de crédito. Quando o valor da fatura se torna mais alto do que uma pessoa consegue pagar, é preciso recorrer a alternativas que resultam em juros sobre essa quantia, como:

O que é rotativo do cartão e como funciona?

Sabe qual é o maior problema das altas dívidas no cartão de crédito? Quando o valor da fatura não é totalmente pago, ocorre algo chamado rotativo. Trata-se de um acúmulo de juros na quantia restante, que costumam ser bem altos.

As taxas de juros rotativos atingem, em média, mais de 300% ao ano. Dessa maneira, funcionam como um tipo de empréstimo que uma pessoa precisa pagar bem mais caro do que, de fato, consumiu.

Assim, conforme não ocorre o pagamento do valor total da fatura do cartão de crédito, as taxas de juros vão se acumulando. O resultado disso? Uma dívida cada vez maior para pagar.

Quais são os perigos de entrar nas dívidas de cartão?

Como visto, quando as dívidas de cartão de crédito se acumulam, uma série de problemas vem junto. Desse modo, é muito fácil gerar muitas dívidas. Não é à toa que tantas pessoas enfrentam essa dificuldade no momento.

O problema do excesso de dívidas é que se torna cada vez mais difícil administrá-las. A seguir, entenda o porquê!

Juros altos

Como você viu, os juros cobrados por atrasos no pagamento total da fatura são muito altos. Quando uma pessoa precisa pagar essas taxas com frequência, um grande valor vai embora apenas com tributos.

Por esse motivo, é importante evitar ao máximo esse problema. Afinal, trata-se de um dinheiro seu que pode ser perdido e não haverá nenhum retorno. Sem contar que esse valor pode sair de contas que também precisam ser pagas, fazendo com que novas dívidas surjam.

Dificuldade de sair dessa dívida

Percebe que só de falar do acúmulo de dívidas no cartão de crédito, é possível notar como ele é capaz de gerar novos problemas? É esse um dos principais motivos pelos quais é difícil sair da situação.

Com cada vez mais juros atrás dos outros, não demora muito para que tudo isso vire uma grande bola de neve, trazendo interferências negativas na rotina de uma pessoa e, principalmente, na saúde do seu bolso.

Problemas de organização financeira

E o que fazer para fugir desse ciclo vicioso? Perceba que não é fácil. Para pagar as dívidas do cartão de crédito, muitas vezes, uma pessoa gera outras. Por exemplo, o valor mensal das parcelas de um empréstimo pessoal solicitado para quitar o que está devendo ou, então, o dinheiro que saiu de uma conta para pagar outra.

Fazer uma boa administração dessa situação nem sempre é fácil e, na maioria das vezes, envolve alguns sacrifícios. Por isso, é bastante desconfortável lidar com esse tipo de problema no dia a dia.

Comprometimento da qualidade de vida

Ninguém gosta de saber que está devendo a uma pessoa ou empresa, não é? Em alguns casos, essa preocupação com as finanças pode gerar, até mesmo, consequências graves na saúde mental de um indivíduo.

Afinal, o estresse acumulado em torno do assunto pode provocar o aumento da ansiedade, dificuldade para dormir, ainda mais problemas para se organizar no dia a dia, e por aí vai.

Sem contar que quando a saúde financeira não vai bem, a qualidade de vida do indivíduo e da família pode sofrer vários abalos. Afinal, as finanças pessoais são importantes para garantir tudo o que uma pessoa precisa para ter mais bem-estar, como alimentação, moradia, saúde, lazer, entre outras necessidades básicas.

Por que os juros do cartão são tão altos?

Sabia que existem vários motivos que interferem nas taxas de juros cobradas no país? Uma delas é o alto número de inadimplência da população. Por conta desse contexto, as instituições financeiras cobram mais, como uma forma de garantia de retorno do valor investido por elas.

As instabilidades da economia do país também causam impacto nas taxas de juros. Isso porque, conforme há o aumento do déficit do Governo Federal, a cobrança dos impostos aumenta, a fim de arrecadar os recursos necessários para evitar dívidas externas.

Vale destacar também que existe uma baixa competitividade no mercado financeiro. Como há uma alta concentração bancária, as organizações conseguem cobrar mais caro, pois não existem muitas outras opções para os consumidores.

Como sair da dívida do cartão?

Depois de entender melhor todo esse contexto, o que acha de ver algumas dicas para sair da dívida do cartão? Cairiam bem agora, não é mesmo? Então, venha conosco e veja o que fazer para se ver livre dessa bola de neve e evitar que esse problema se repita!

Organize suas finanças

Sabe quando o guarda-roupa vira uma bagunça e é preciso colocar todas as peças em cima da cama para guardar uma por uma? Para resolver uma dívida alta de cartão de crédito, a lógica é bem parecida.

O primeiro passo para começar a organização é listar tudo o que você deve. Faça uma planilha ou use um caderno para anotar despesa por despesa. Isso é fundamental para ter uma visão geral de toda a situação.

Ao lado, em outra coluna ou página, anote todo o dinheiro que você tem no momento e que, com certeza, vai receber nos próximos meses. Isto é, pagamentos agendados, rendas garantidas, entre outras opções. Se a quantia esperada para um curto prazo é zero, anote também esse valor.

Além disso, organize as dívidas de acordo com a data de vencimento. Coloque aquelas que estão com o prazo mais apertado primeiro na sua lista. Assim, você já sabe qual é a prioridade. Se alguma delas estiver em atraso, insira também o valor dos juros e multa cobrados por cada dia após o vencimento.

Agora, é hora de trabalhar com o que você tem. Confira o que é possível fazer com o valor que existe em conta e comece a avaliar suas opções. Nesse momento, é importante pesquisar bastante as alternativas. Afinal, você sempre pode se deparar com uma ideia que ainda não tinha pensado.

Tenha uma meta

O próximo passo é ter metas bem definidas. Saber o quanto você pode e pretende pagar é fundamental para quitar as dívidas. Além disso, é importante também fazer um limite do orçamento. Ou seja, estabelecer o quanto pode gastar até que todas as contas sejam devidamente pagas.

Quer mais uma dica interessante? Anote essa meta e deixe-a em um lugar que você olha com frequência. Em frente a sua cama, no papel de parede do celular, em uma anotação na tela do computador: tudo isso vai ajudar a se lembrar dos objetivos e não desviar o foco.

Recorra a empréstimos com juros mais baixos

Não tem o valor que precisa para pagar o cartão de crédito, nem consegue obter esse dinheiro antes do vencimento da próxima fatura? Então, é hora de recorrer às alternativas disponíveis.

Às vezes, fazer um empréstimo pode sair mais barato do que parcelar a dívida do cartão. Já pensou nisso? Atualmente, existem diferentes maneiras de obter um dinheiro emprestado, com as mais variadas taxas de juros, inclusive com alternativas de crédito para negativados.

Lembra que, durante o período de organização das finanças, é importante fazer várias pesquisas sobre as suas opções? Esse é o principal motivo. Com isso, é possível encontrar alguns tipos de empréstimos que apresentam juros mais baixos que o parcelamento da fatura do cartão de crédito.

Como visto, em alguns casos, é preciso fazer uma nova dívida para quitar a atual. No entanto, quando os juros são menores e você consegue fazer uma boa organização das finanças, essa é uma solução viável.

Evite pagar o mínimo

Agora outra dica importante: não caia na tentação de pagar o valor mínimo da fatura. Esse é um recurso que as empresas de cartões de crédito oferecem, mas que não é tão vantajoso quanto parece.

Acontece que os juros cobrados por essa decisão, algumas vezes, são maiores, até mesmo, que as multas de atraso do pagamento da fatura. Por isso, é uma boa ideia fugir dessa alternativa, se o seu objetivo é evitar o acúmulo de dívidas.

Considere a ideia de negociar as dívidas

Se você já está com faturas acumuladas, prazos vencidos e uma bola de neve se formando, então pode ser uma boa ideia negociar a dívida. Geralmente, a empresa entra em contato oferecendo propostas. Quando isso acontecer, informe o quanto é possível pagar ou se tem como parcelar esse valor com juros menores.

Caso a instituição financeira não entre em contato com propostas de negociação da dívida, você pode tomar essa iniciativa. Abra-se ao diálogo e avalie cada uma das alternativas. Se for necessário, peça um prazo para confirmar a sua decisão.

Reduza seus gastos

Lembra dos sacrifícios que você precisa fazer para quitar uma dívida de cartão de crédito? Saiba que isso envolve diminuir o valor gasto mensalmente. Ter um controle maior das despesas possibilita que um dinheiro a mais sobre no fim do mês.

Portanto, veja todos os gastos anotados e identifique o que não é emergência ou necessário. Cortar ou reduzir as despesas supérfluas, por um tempo, ajuda a diminuir o valor da fatura do cartão e, principalmente, quitar as dívidas atuais.

Uma dívida de cartão de crédito é mesmo capaz de gerar muita dor de cabeça. Por isso, a melhor saída é evitar que esse tipo de problema atinja a sua vida, ao contar com um bom controle das finanças e quitar as dívidas o quanto antes. Sendo assim, dê o primeiro passo para fugir da bola de neve.

Ficou com problema para pagar a dívida de cartão de crédito e está procurando uma solução? Vale a pena considerar um empréstimo pessoal. Faça uma simulação sem compromisso para ver o custo-benefício! <a class=”btn btn-gradient btn-x-site” href=”https://www.supersim.com.br/emprestimo/solicitacao/inicio“>simule seu empréstimo</a>

Tags do post

Escrito por:
caio
Você também vai gostar: